Quem são os pais dos filhos da sociedade?

pai-e-filho

/// Uma reflexão sobre o papel social de pessoas e organizações em relação às crianças e adolescentes. \\\

Por Arno Duarte

Eu fico impressionado com as histórias de super-heróis, pois todos têm problemas de alguma ordem com os pais: Batman: teve os pais assassinados; Flash: teve a mãe assassinada e o pai preso; Homem Aranha: pais morreram num acidente de avião; Mulher Maravilha: não conheceu o pai; Super Homem: os pais morreram na explosão de um planeta.

Interessante é que todos foram acolhidos por pessoas que transmitiram valores e os ajudaram a se tornarem referências positivas para seus mundos: Mordomo Alfred; Detetive Joe West; Tia May; Comunidade das Amazonas; Martha e Jonathan Kent.

Mas as histórias de alguns super-heróis nem sempre são como nos quadrinhos.

Existem caras como o João, que pode ser um personagem fictício, ou também poderia ser real. Ele está com 18 anos, se reveza a dormir na casa de amigos, pois recém deixou a instituição de acolhimento onde morou desde os sete anos.

Ele já foi um bebê fofinho, mas quando chegou ao abrigo já havia passado da idade preferida pelos pretendentes à adoção, e lá ficou mais de dez anos.

Assim como os outros super-heróis, ele não teve os pais biológicos presentes. Não sabe o que aconteceu. Lembra apenas de passar por várias casas e de nunca entender o que era o vazio que sentia por dentro.

Um vazio que foi preenchido por sentimentos confusos, amizades duvidosas, por aventuras em busca de dinheiro rápido e fugas da realidade. Era como conseguia suportar o abandono e a ausência de sentido na vida. Era como conseguia sobreviver um dia de cada vez.

E pelo caminho ele encontrou a Clara e o Carlos, empresários, que também poderiam ser executivos bem-sucedidos de alguma empresa, ou apenas um casal de namorados que estavam cuidando das suas próprias vidas.

O João abordou eles em uma sinaleira, bateu no vidro, assustando o casal dentro do carro. O João só precisava de um dinheiro para passar a semana, ajuda para comprar alguma comida.

Nos pensamentos de Clara e Carlos, além de passarem suas vidas inteiras num milésimo de segundo, eles se perguntam: “de onde saiu este cara?”

Pois este cara e outros tantos vem de uma situação de abandono, não apenas dos pais biológicos, mas da sociedade em geral.

Qual a nossa responsabilidade enquanto sociedade em relação as crianças e jovens que vivem em casas de acolhimento ou que cumprem medidas socioeducativas?

Quando nós, sociedade, delegamos a responsabilidade para o poder público e ONGs cuidarem de crianças e jovens em situação de abandono ou que cometeram delitos, somos como aquele pai que paga a pensão em dia, mas desconsidera que o que mais importa no desenvolvimento dos filhos é a transmissão de valores.

Assim como pais que trabalham demais e delegam a criação dos filhos para uma babá, estamos fazendo o mesmo com as crianças das casas de acolhimento. Seguimos nossas vidas trabalhando bastante e deixamos para o poder público dar casa e comida, e esquecemos que amor e carinho não se compra com trabalho.

Crianças e jovens que vivem no sistema de acolhimento institucional ou socioeducativo não precisam só do dinheiro dos nossos impostos. Elas também precisam saber que a vida delas é importante, para só assim darem valor às vidas delas e as dos outros.

Lembra que de alguma forma eles já foram abandonados ou maltratados. Por algum motivo eles acham que não foram importantes para alguém, e isso causa uma dor sem comparação, coisa que talvez a gente não consiga perceber.

E quando deixamos de nos envolver emocionalmente com este mundo, estamos semeando também um futuro em que a emoção não é um valor. O dinheiro é o valor que transmitimos. É esse o valor que queremos transmitir?

Além de desigualdade social, estamos gerando desigualdade emocional.

Muitos falam sobre como vamos mudar o mundo, no futuro, e como seria se pudéssemos voltar no tempo para mudar a história do João?

Numa linha do tempo alternativa o João completou 18 anos. Ele foi abandonado aos sete anos, mas neste novo futuro, poder público, ONGs, pessoas físicas e pessoas jurídicas estão engajadas e se apoiam mutuamente para ser a diferença na vida de criança como o João.

A principal evolução, nessa nova linha do tempo, está na compreensão do papel social que cada um tem na construção de um futuro acolhedor para todos.

Pessoas físicas e pessoas jurídicas entenderam que precisavam ter um papel social mais ativo. Papel social é o envolvimento das pessoas com as pessoas. É o envolvimento emocional, a transmissão de valores.

As doações seguem sendo importantes para manter as instituições de acolhimento e de formação socioeducativa, mas o envolvimento humano precisou evoluir.

E nesse novo futuro o João foi muitas vezes acolhido e ouvido por funcionários de empresas que os liberavam algumas horas por semana para a prática de trabalho voluntário nas instituições.

Depois de algum tempo o João entrou em um programa de apadrinhamento afetivo, onde conheceu padrinhos muito legais que o aconselharam em diversos momentos de sua vida.

O João também foi adotado por uma família muito simples, mas que tinha muito amor para oferecer, mesmo para uma criança mais “velha”, que já não era um bebê.

Aos poucos João foi se aproximando do mundo do trabalho, participou de um programa de aprendizagem, fortemente apoiado por empresas, e o melhor: recebeu orientação de profissionais destas empresas sobre as profissões e como poderia construir um futuro brilhante. A aprendizagem para estas empresas era muito mais do que cumprir a cota exigida pela lei.

Por fim, foi contratado pela empresa da Clara e do Carlos, que como empresários que entendem seu papel social, tem um programa de contratação e desenvolvimento de jovens SEM EXPERIÊNCIA vindos da aprendizagem.

A Clara e o Carlos sabem que estão contribuindo para a construção de um futuro melhor, não só para os jovens, mas para eles mesmos! A Clara e o Carlos também ajudaram a mudar os seus próprios futuros.

E a pergunta que eu quero deixar com toda essa história é: qual o teu papel social em relação aos filhos da sociedade?

O tempo para as mudanças é hoje. O futuro será consequência.

NÓS SOMOS OS SUPER HERÓIS QUE PODEM MUDAR O MUNDO AGORA. Temos muitos poderes de transformação, basta colocar eles em prática pensando no futuro que queremos.

(Texto de Arno Duarte, da talk no evento “Como Podemos Mudar o Mundo Juntos”, em 04/10/2017)

ARNO DUARTE, além de papai presente, é coach e consultor organizacional na Favoo Desenvolvimento Humano e empreendedor de negócios sociais. Adora o que faz, mas não deixa de se aventurar em peças de teatro, videoclipes, música, fotografia, meditação ou em qualquer coisa que estimule expressão e criatividade. Acredita que o sentido da vida é amar e se divide entre projetos pessoais e profissionais buscando a felicidade autêntica nas 30 horas do seu dia.

#CPMMJ #papaipresente #paipresente #adoção #adoçãotardia #adocaotardia #adocao

Anúncios

Um comentário em “Quem são os pais dos filhos da sociedade?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s